24FestCurtasBH_Capa_Oficial

 Premiados (2022) 

COMPETITIVA INTERNACIONAL

"Amor & Vingança", de Anhar Salem (وانتقام, França / Arábia Sautida, 2021)
Melhor Filme da Competitiva Internacional do 24º FestCurtasBH

AMOR & VINGANÇA

وانتقام

de Anhar Salem (França / Arábia Saudita, 2021)

JÚRI OFICIAL

COMPETITIVA INTERNACIONAL

Júri composto por Ingá Maria, Lucas Murari, Natalie Matos

O melhor curta-metragem, escolhido pelo júri oficial, recebe:

  • Prêmio de melhor curta-metragem de R$5.000,00 (cinco mil reais);

  • Troféu Capivara - 24º FestCurtasBH

________

Ressaltamos que vários filmes nos chamaram a atenção em razão da qualidade e diversidade de propostas. No entanto, um em especial nos interpelou para este prêmio por uma combinação de fatores. Pela maneira sensível como tratou na sua linguagem o gênero e a sexualidade, investindo de maneira criativa nas infinitas faces de uma jovem ao produzir sua subjetividade. Debatendo as imposições de uma tradição que constrange a circulação de uma corpa feminina no Oriente e conseguir também contemplar situações análogas vividas pela platéia de uma sociedade ocidental. Se valendo da matéria das redes sociais ao modo do tensionamento com um universo digital privado, engendrando, assim, uma estrutura estética que constantemente devora a si própria e devolve à duração coletiva da sala de cinema, aquilo que seria retrato fugidio e individualizante em um aparelho celular. Por fim, entregamos o prêmio de Melhor Curta-metragem da Mostra Competitiva Internacional a “Amor e Vingança”, de Anhar Salem, pela atenção acesa ao contemporâneo, mais precisamente no modo realista e artificial que expressa os dilemas do tempo presente.

COMPETITIVA BRASIL

"Ajeum Pèlú Aiyê - Comemos junto com a Terra", de Ekedji Jacqueline Martins (Brasil - PE, 2022)
Melhor Filme da Competitiva Brasil do 24º FestCurtasBH

AJEUM PÈLÚ AIYÊ - COMEMOS JUNTO COM A TERRA

de Ekedji Jacqueline Martins (Brasil - PE, 2022)

"Eu te amo é no sol", de Yasmin Guimarães (Brasil - MG, 2022)
Menção Honrosa da Competitiva Brasil do 24º FestCurtasBH

EU TE AMO É NO SOL

de Yasmin Guimarães (Brasil - MG, 2022)

"Da boca da noite à barra do dia", de Tiago Delácio (Brasil - PE, 2021)
Menção Honrosa da Competitiva Brasil do 24º FestCurtasBH

DA BOCA DA NOITE À BARRA DO DIA

de Tiago Delácio (Brasil - PE, 2021)

JÚRI OFICIAL

COMPETITIVA BRASIL

Júri composto por Edgar Kanaykõ Xakriabá, Grazi Medrado, Julia Fagioli

O melhor curta-metragem, escolhido pelo júri oficial, recebe:

  • Prêmio de melhor curta-metragem de R$5.000,00 (cinco mil reais);

  • Troféu Capivara - 24º FestCurtasBH

 

Os filmes que são destacados como menção honrosa, escolhidos pelo júri oficial, recebem:

  • Troféu Capivara - 24º FestCurtasBH

 

________

"Ajeum Pèlú Aiyê - Comemos junto com a terra", chegou a nós como um sonho. O sonho de justiça ancestral, mas também o sonho de justiça social, para que todos tenham comida na mesa. O sonho da partilha, da terra, do amor, daquilo que nos é essencial. O sonho do coletivo, de estar juntos, comer juntos, ver e fazer cinema juntos. 

 

Nos conduz a perceber que comida é ato de resistência um lugar da partilha coletiva - que assim como em muitas outras culturas (como as indígenas) “comer da mesma panela é tornar-se parente”. Um filme curto em tempo, que se faz grandioso e nos convoca para aquilo que importa. Realizado por uma mulher de cuidado e de tradição, junto de seu povo. O filme de Ekedji Jacqueline é um ato de generosidade que nos alimenta espiritualmente e moralmente.

 

Nos aparecem também como sonho a delicadeza de "Eu te amo é no sol", que fala da beleza do amor entre duas mulheres, que na frieza de um país distante elas fazem do encontro sua morada. Bem como a forte presença intergeracional que atravessa o tempo e a sobrevivência de uma das muitas tradições desse nosso Brasil, assim nos é apresentado o “Cavalo Marinho” em “A boca da noite à barra do dia”

 

O prêmio e as menções honrosas simbolizam a esperança de um país que acolhe e respeita todo amor, que valoriza e conhece a sua história em toda a sua diversidade cultural. Cinema é esperança. Cinema é partilha. Cinema é esta possibilidade de continuar a sonhar.

COMPETITIVA MINAS

"Rachocracia", de Artur Ranne (Brasil - MG - Belo Horizonte, 2022)
Melhor Filme da Competitiva Minas do 24º FestCurtasBH

RACHOCRACIA

de Artur Ranne (Brasil - MG - Belo Horizonte, 2022)

"Contra-monumento cena #1", de Coletivo Olhares (Im)Possíveis (Brasil - MG - Ouro Preto, 2021)
Menção Honrosa da Competitiva Minas do 24º FestCurtasBH

CONTRA-MONUMENTO CENA #1

de Coletivo Olhares (Im)Possíveis (Brasil - MG - Ouro Preto, 2021)

DA BOCA DA NOITE À BARRA DO DIA

de Tiago Delácio (Brasil - PE, 2021)

JÚRI OFICIAL

COMPETITIVA MINAS

Júri composto por Edinho Vieira, Felipe Carnevalli, Yasmine Evaristo

O melhor curta-metragem, escolhido pelo júri oficial, recebe:

  • Prêmio de melhor curta-metragem de R$5.000,00 (cinco mil reais);

  • Troféu Capivara - 24º FestCurtasBH

 

Os filmes que são destacados como menção honrosa, escolhidos pelo júri oficial, recebem:

  • Troféu Capivara - 24º FestCurtasBH

 

________

Quanta fala habita o silêncio? Quanto avanço está contido no gesto de parar? Quantos tempos cabem em poucos minutos?

 

Nesse potente conjunto de filmes reunidos na mostra Minas deste ano, algo parece persistir: a procura por algo que nos faça juntar os cacos deixados por dois longos anos de luto e de reclusão. Dos 12 filmes reunidos aqui, passamos por quintais, banheiros, quebradas, campos de futebol, esquinas, cozinhas e bares – espaços de memória, de afeto e de resistência que nos lembram constantemente das existências que persistem, inquietas, apesar de tudo.

 

Na difícil retomada da vida em comunidade (ou da própria vida, em si) parece pulsar nas imagens uma vontade de seguir – mesmo que para seguir, precisemos parar o tempo, escutar o silêncio, observar os detalhes, trazer de volta o passado e aterrar neste incerto tempo presente. Juntes.

 

E que imagens nos fazem estar juntes? Que práticas fílmicas nos devolvem a possibilidade de tecer comunidades, de se fortalecer no afeto e de elaborar coletivamente outras formas de dizer ao mundo aquilo que, mais do que nunca, está entalado na garganta?

 

O cinema possui a habilidade de comunicar, de maneira objetiva e/ou subjetiva por meio de imagens, o que o verbo nem sempre manifesta. Assim sendo, a escolha do júri para o prêmio da mostra Minas – e também para uma menção honrosa – se fez diante da potência da comunicação da juventude negra, que das suas quebradas articulam linguagens insubordinadas e capazes de dizer muito, com muito pouco. O filme que escolhemos para levar o prêmio da mostra nos diz muito através do silêncio, em um curtíssimo espaço de tempo, ao passo em que invade a vida e se faz vida em seus quadros e expressões, com a ação da comunidade dentro e fora das telas. Para nós, RACHOCRACIA, de Artur Ranne, fez seu corre e soube como existir apesar das regras.

 

Se, como nos ensinou Artur Ranne, a vantagem sempre vai ser de quem dita as regras, RACHOCRACIA nos mostra que para os que estão no corre, a potência da cultura e da vida está justamente no gesto de rompê-las. Romper a soberania da fala com apenas um olhar, romper a progressão da pressa com a pausa, romper a ficção com crueza do real, romper a individualidade da autoria com a voz coletiva da comunidade. 

 

E quando a comunidade se expressa através da imagem, o cinema se torna um espaço de encontro, uma prática de cuidado. Algo que aprendemos tão gentilmente com o filme-projeto CONTRA-MONUMENTO CENA #1, do coletivo Olhares (Im)possíveis, merecedor da menção honrosa pela potência de sua inventividade. Suas imagens indisciplinadas, que também desafiam as regras, não escondem as contradições do real. Pelo contrário, as escancaram, tensionam seus limites, e as transformam em provocação.

 

RACHOCRACIA e CONTRA-MONUMENTO CENA #1, obrigado por nos lembrarem que, para quem está no corre, todo silêncio é fala, toda quebrada é mundo, todo minuto conta, e toda vida importa.

JÚRI POPULAR

"Febre", de Marcio Abreu (Brasil - MG - Belo Horizonte, 2022)
Melhor Filme eleito pelo Júri Popular do 24º FestCurtasBH

FEBRE

de Marcio Abreu (Brasil - MG - Belo Horizonte, 2022)

JÚRI POPULAR

MOSTRAS COMPETITIVAS & PARALELAS

Votação realizada pelo púlico, após cada sessão

O melhor curta-metragem, escolhido pelo júri popular, recebe:

  • Prêmio de melhor curta-metragem de R$3.000,00 (três mil reais);

  • Troféu Capivara - 24º FestCurtasBH